Data atual:24 de novembro de 2020

Humanos: Como Ficaremos no Futuro?

Publicidade:

Os seres humanos, assim como todas as outras espécies que habitam o nosso planeta, estão constantemente evoluindo.

A ciência diz que levamos algo em torno de 6 milhões de anos para nos tornar aquilo que somos hoje em dia, e os humanos modernos não têm muito mais do que 10 mil anos de idade. Pode parecer muito tempo, mas do ponto de vista evolutivo, isso não é praticamente nada.

NOSSA EVOLUÇÃO

HUMANOS

Ao longo do nosso desenvolvimento enquanto espécie, já evoluímos de diversas formas, nos adaptando e criando formas de sobreviver melhor aos desafios que a existência nos oferece. Hoje em dia, por exemplo, grande parte das pessoas pode consumir leite de outras espécies diariamente, o que há algum tempo era totalmente impossível, visto que os mamíferos costumam consumir apenas o leite materno, e somente até certa idade.

A intolerância à lactose, que torna o consumo do leite bastante difícil para  muitas pessoas, pode ser encarada como um “resquício” desse passado.

A ansiedade também é um resquício da evolução humana, já que os nossos antepassados precisavam passar o dia preocupados com a sobrevivência, e aqueles que não faziam isso, acabavam não vivendo por muito tempo. Com uma vida mais curta, se reproduziam menos quando comparados aos que se preocupavam com os perigos da vida naquela época.

A CONSEQUÊNCIA?

Humanos: Como Ficaremos no Futuro? 20

Como os “ansiosos” tinham mais filhos, isso contribuiu para que hoje em dia tenhamos um grande número de pessoas que sofre com a ansiedade mesmo que os tempos sejam outros, e já não temos tantos motivos assim para temer a morte diariamente.

GIRAFAS

Humanos: Como Ficaremos no Futuro? 21

Algo semelhante aconteceu também com as girafas, naquele que normalmente é o exemplo mais utilizado para explicar a evolução das espécies.

As girafas com pescoços mais compridos tinham maior facilidade para alcançar frutos no topo das árvores, fazendo com que estes animais vivessem mais tempo em relação aos que tinham pescoços menores. Essas girafas com pescoços compridos tinham mais filhotes, que também nasciam com pescoços compridos, até chegarem no ponto em que estão atualmente.

Publicidade:

MAS E PARA O FUTURO? COMO OS HUMANOS VÃO FICAR DAQUI A MIL OU 10 MIL ANOS?

Humanos: Como Ficaremos no Futuro? 22

É muito difícil fazer previsões quando o assunto é a evolução humana, pois no mundo moderno os seres humanos vivem de forma muito diferente do que no passado. A sobrevivência é consideravelmente mais fácil, já que a tecnologia nos permite evitar muitos dos perigos e problemas que nossos antepassados tinham. Hoje, praticamente não entramos em contato com animais selvagens, para a maioria das pessoas a água é tratável e potável, e a nossa alimentação também é controlada para que não tenhamos problemas com intoxicações. Tudo isso contribui para um período de “estagnação” do nosso organismo.

Mas um dos fatores modernos que mais pode afetar a evolução da nossa espécie é a dinâmica de reprodução do ser humano moderno. Ao contrário do que acontecia há muito tempo, nós não precisamos mais nos preocupar tanto assim em procriar para manter a nossa espécie. Cada vez mais, as famílias optam por apenas um ou dois filhos, isso quando não abrem mão totalmente deles. O planejamento familiar diminuiu muito a natalidade, principalmente nos países desenvolvidos, e isso possui um papel importante na hora de prever como seremos no futuro.

Nas últimas décadas, algumas mudanças já vêm sendo observadas por cientistas no que diz respeito à complexidade física do ser humano. Pouco a pouco, estamos nos tornando mais altos, sobretudo por conta da nutrição, que está cada vez mais adequada às necessidades do crescimento humano. Ao mesmo tempo, nossos cérebros estão se tornando cada dia menores quando comparados aos de nossos antepassados. Mas não se preocupe, isso não está acontecendo porque estamos nos tornando menos inteligentes, e sim porque o cérebro está cada vez se tornando mais eficiente.

Por isso, seguindo esta tendência, podemos esperar que no futuro os seres humanos se tornarão maiores, e com cabeças menores do que as que ostentamos hoje em dia.

Outro fator que pode nos levar a adaptações genéticas é o clima. Ninguém sabe exatamente o que vai acontecer com o nosso planeta em termos de temperatura e preservação do meio ambiente. Nosso corpo, no entanto, poderia se modificar para suportar temperaturas diferentes das que estamos acostumados hoje. Claro que isso levaria bastante tempo, mas podemos evoluir para ter corpos capazes de suportar o calor ou o frio extremo, ou ainda capazes de lidar melhor com o excesso de raios ultravioleta.

Mas o que deve ditar o futuro de nossa espécie não é a seleção natural, e sim a artificial. Nas próximas décadas ou séculos, deverá ser comum a edição genética. Ainda que isso esbarre em muitas barreiras éticas, no futuro, os pais talvez possam ter bebês com características escolhidas a dedo. Não apenas a cor do olhos, o tom de pele ou o tipo de cabelo. A edição genética pode tornar os nossos descendentes imunes à muitas doenças. Quando a edição genética estiver completamente desenvolvida, o mundo pode acabar dividido em duas espécies de seres humanos – os que tiveram seu DNA editado para nascerem mais altos, fortes ou mais inteligentes; e o resto. E isso bagunçará completamente a evolução humana.

CONFIRA: https://www.arnolds.com.br/o-que-aconteceria-se-caissemos-em-um-buraco-negro/

Publicidade: