Data atual:27 de junho de 2022

‘Homelander’: Não apenas um dos meninos: a psicologia

Publicidade:

Com a terceira temporada de The Boys chegando, pedimos à psicóloga clínica Dra. Drea Letamendi para dar uma olhada na mente de um dos personagens mais atraentes e aterrorizantes do programa, Homelander . Continue lendo para saber o que ela encontrou…

Seguem-se spoilers da 1ª e 2ª temporada de The Boys e The Boys Presents: Diabolical .


Homelander é o líder dos Sete , um poderoso grupo de super-heróis de propriedade e administrado pela empresa Vought International . À primeira vista, Os Sete parecem comandantes e virtuosos, na frente e no centro de uma missão pública para defender a América contra todas as ameaças. No mundo dos meninos, a indústria de super-heróis domina tudo, da política ao consumismo e ao entretenimento.

No auge da popularidade dos Sete, o membro mais reconhecido e celebrado da equipe é Homelander. Com feições esculpidas, um sorriso brilhante e um terno de super-herói patriótico (incluindo uma bandeira dos EUA para uma capa), o herói loiro de olhos azuis é considerado por muitos como o símbolo perfeito de dever, excelência e valores tradicionais.

Ele tem o melhor dos poderes para arrancar. Muito parecido com um certo herói kryptoniano, Homelander tem raios de calor, super-força, durabilidade, voo e visão de raio-x. Impermeável a todas as ameaças conhecidas, Homelander pode suportar temperaturas extremas e ataques desastrosos; não foi identificada nenhuma arma que possa feri-lo. Pelo menos, fisicamente.

Homelander está pingando charme e segurança, dosando tudo com seu sorriso confiante e promessas esperançosas. Mas, escondida dos olhos do público, surge uma forma mais verdadeira. Homelander personifica o egocentrismo e o materialismo do mundo moderno, glorificando a competitividade, o individualismo robusto, o domínio. Ele abraça profundamente e se alinha com sua personalidade superior, incorporando as virtudes de um defensor totalmente americano com fervor.

Ele é consumido por sua imagem, e muitas vezes não tem certeza de onde seu verdadeiro eu termina e sua performance começa. Socialmente ousado e intitulado, Homelander é muitas vezes o primeiro a se colocar na frente da câmera ou fazer declarações sentimentais sobre seu inflexível compromisso com a justiça. Ele saboreia seu status de elite, vendo-se pelos olhos das pessoas que se apegam às suas palavras: Ele é um Deus entre os homens.

E é claro que Homelander obtém prazer não de conexões emocionais genuínas com seus seguidores, mas da dinâmica de poder. Ele fará qualquer coisa – incluindo executar pessoas inocentes que possam manchar sua imagem – para manter a reputação de que ele é o “mocinho”.

“É meu propósito dado por Deus proteger a América.” – Pátria

Homelander não apenas se entrega à adoração em massa, todo o seu ego depende da adoração do herói. A busca constante por admiração e elogios, a exibição aberta de si mesmo e a necessidade faminta de que o holofote funcione para distraí-lo da verdade interior. Como Superman reabastecendo seus poderes dos raios do sol, Homelander deve se banhar em adulação para restaurar seu ego frágil.

Como a fiação de más notícias, Homelander aprendeu a distorcer o superficial no real. Sua fragilidade, embora oculta por camadas de confiança e zelo, é desencadeada pela ausência de atenção; no momento em que percebe o vazio dentro de si, é assaltado por terríveis sentimentos de auto-aversão e inadequação. Em algum lugar abaixo das camadas de músculos, sob a gloriosa farsa, está o mais vulnerável dos corações.

CRIANDO UM PSICOPATA

'Homelander': Não apenas um dos meninos: a psicologia 1

Um dos cientistas fundadores da Vought, Dr. Jonah Vogelbaum , supervisionou a criação, treinamento e doutrinação de Homelander, que ele chamou de “John”. Como sujeito de teste injetado com o agente químico Composto V, Homelander foi criado principalmente em uma sala de laboratório experimental e sob constante observação.

Mesmo quando bebê, Homelander foi privado dos confortos do afeto físico, brinquedos estimulantes e ambientes enriquecedores que normalmente teriam promovido seu desenvolvimento psicossocial. Vogelbaum era uma espécie de figura paterna para Homelander, oferecendo sorrisos e gestos de afirmação através de uma pequena janela da sala do laboratório – mas nunca oferecendo a ele amor incondicional na forma de aceitação genuína, contato caloroso e acariciante e um momento único que não é baseado em avaliação.

Na verdade, os poderes letais e descontrolados de Homelander mantiveram os pesquisadores distantes. Sem querer, esses protocolos tiveram alguns efeitos anti-socializantes em Homelander.

“A criança fornece a energia, mas os pais têm que dirigir.” – Dr. Benjamin Spock, famoso pediatra e psicanalista.

Ao longo de sua juventude, Homelander passou a maior parte de suas horas críticas de vigília realizando tarefas, fazendo testes de resistência e sendo levado ao limite por experimentadores zelosos. Um tipo de apego formado com seus criadores; ele fezreceber atenção de seus cuidadores substitutos, mas apenas através da expectativa estreita e implacável de realizar. Uma contingência.

A pressão criou um esquema relacional transacional para Homelander: quando ele domina seus poderes, ele recebe palavras afirmativas e tempo com seus cuidadores. Falhe, e ele passa por testes e críticas mais torturantes. Homelander mais tarde admite que muitas vezes se sentiu sozinho e com medo enquanto aprendia a navegar em suas habilidades desumanas, comparando-o ao “afogamento”.

Este pequeno super não era frio e insensível desde o nascimento. Muitas vezes ele era sobrecarregado de emoções – lutando contra o medo, a insegurança e a desesperança – mas nunca foi ensinado a regulá-las. “Eu tive que descobrir tudo sozinho.”

Os cientistas ávidos deveriam saber que o isolamento extremo, a falta de contato físico e a escassez de interação social teriam efeitos deletérios no desenvolvimento emocional de Homelander. A ciência bem estabelecida mostra que os bebês podem perder estágios críticos de aprendizado do desenvolvimento devido à ausência de cuidadores.

A privação no início da vida pode ter efeitos duradouros e irreparáveis ​​em cérebros jovens. Até mesmo estudos de laboratório com camundongos mostram que ser criado em ambientes empobrecidos tem déficits de inteligência, curiosidade e “personalidade”. Claro, os ratos precisam de uma abundância de brinquedos, túneis e esconderijos em seus ambientes – os humanos precisam de uma versão mais complexa de atividade, estimulação e exploração.

Cérebros em ambientes mais ricos e estimulantes têm taxas mais altas de sinaptogênese(crescimento de neurônios), levando ao aumento da atividade cerebral e a uma mente florescente. Como um rato em uma gaiola empobrecida, os potenciais emocionais, sociais e intelectuais de Homelander foram atrofiados.

'Homelander': Não apenas um dos meninos: a psicologia 2

O apego importa. Além da estimulação sensorial e intelectual, as crianças precisam de vínculos sociais. Mas os cuidadores de Homelander estavam fixados na progressão sobrenatural, não na construção de empatia. Ele foi forçado a suportar tortura – resistir a incêndios, sobreviver por horas debaixo d’água e superar ataques violentos. Seu corpo foi cortado, queimado e congelado.

Além de um cobertor azul macio ao qual se agarrava, Homelander não conseguia encontrar consolo ou aliviar suas dores. Após testes repetitivos de resistência e tortura, ele não foi acalmado, curado ou mesmo abraçado

Homelander perdeu as “coisas normais do dia a dia” da infância. Os jovens muitas vezes aprendem sobre valores fundamentais, visão de mundo e crenças de seus pais. De certa forma, Homelander estava encarregado de sua própria educação, aprendendo através da autodescoberta. Ele foi ensinado a ele que ele era uma arma, uma ferramenta. Ele não foi “projetado” para amor, carinho ou companheirismo.

Publicidade:

Elogiado por atos destrutivos, não compassivos, Homelander aprendeu a valorizar características anti-sociais de sua personalidade nascente. Mate mais rápido. Obliterar maior. Pense depois. Não sinta nada. Isso vai voltar para assombrá-lo. A ciência ética trata do consentimento, mas nada disso foi aprovado ou desejado por ele. Não era humano. As crenças resultantes que Homelander adotou mais tarde se estenderia ao seu tratamento dos outros.

DE MENINO SENSÍVEL A HOMEM NARCISISTA

'Homelander': Não apenas um dos meninos: a psicologia 3

Quando menino, Homelander admirava seus cuidadores cientistas. “Quando ele tinha cerca de 5 ou 6 anos”, lembra o Dr. Vogelbaum, “ele era muito doce. Ele se aconchegou em mim.” O médico, no entanto, rejeitou esses pedidos saudáveis ​​de afeto e conexão, explicando que essa era a hora em que ele “foi trabalhar no menino” e que Homelander “nem queria isso”. Esse aliciamento, exploração e gasto não consensual de seu corpo por um adulto de confiança levou Homelander a desenvolver construções psicológicas confusas de “amor”.

Em suas sessões de treinamento psicossocial, Homelander foi forçado a aprender e assimilar conceitos que iam da religião (“Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador”) ao dever patriótico (“estrelas e listras”) aos esportes (“beisebol é meu esporte favorito”).

Esses testes sistemáticos foram projetados para moldar e aperfeiçoar sua aptidão mental, uma substituição grosseira da escola normal, brincar, frequentar a igreja e jantares em família. Depois de aprender sobre a tradição do Dia de Ação de Graças na América, Homelander pergunta a seu professor sobre sua própria família, perguntando se ele tem uma “mamãe” como retratado nas imagens de treinamento.

Um pouco relutante, mas tranquilizador, sua professora afirma que ela pode ser sua mãe. Instintivamente, movido pela busca de conforto, Homelander a abraça, mas ele a aperta com tanta força que ela morre. Aterrorizado com este resultado, ele corre para o canto do laboratório e se encolhe sob seu cobertor azul. Os experimentadores vêm correndo para ele, dizendo a Homelander que isso será resolvido. Ele terá outro professor em breve. Eles são dispensáveis.

'Homelander': Não apenas um dos meninos: a psicologia 4

O Composto V pode ter levado Homelander a um caminho em direção à indestrutibilidade física, mas o abuso emocional o colocou no caminho da poda psicológica. Nenhum laboratório pode imitar um lar seguro, um guardião carinhoso ou uma família amorosa. De fato, um dos cientistas da Vought alertou Vogelbaum, descrevendo Homelander como tendo uma “depressão induzida pelo isolamento”.

Durante anos, as necessidades físicas e emocionais de Homelander não foram atendidas. A comunicação verbal não foi usada para promover pertencimento, conforto e auto-estima. O afeto físico não foi usado para promover segurança e proteção. O que ele mais precisava, além de orientação adequada, limites e consequências, era amor incondicional. Não amor pelo que ele poderia fazer, mas por quem ele é.

Dr. Vogelbaum não é o único culpado pelo desenvolvimento cerebral atrofiado de Homelander. Como Homelander “se graduou” para as fileiras dos Sete e ganhou notoriedade, ele foi recompensado por sua ostentação de poder e estreiteza de espírito. Ele se tornou perfeito para o papel na Vought – indestrutível e saudável por fora, insensível e implacável por dentro. Seu egocentrismo patológico foi alimentado pelo constante treinamento e objetificação da administração da Vought.

“Sou o maior super-herói do mundo.” – Pátria

O transtorno de personalidade narcisista (NPD) é uma condição mental duradoura caracterizada por grandiosidade, falta de empatia e um estilo hipercrítico irracional. A grandiosidade é muito relacional. Mesmo que uma pessoa com NPD pareça sozinha em seu pico de auto-absorção, ela está profundamente fixada em como se compara com as outras. Pessoas com NPD têm um senso de importância inflado, mas para manter esse aumento de poder, elas devem menosprezar, abusar e violar os outros.

Homelander carrega um senso exagerado de superioridade acima e além da categoria de poderes sobre-humanos. Ele acredita que é mais bonito, inteligente, talentoso e charmoso e, portanto, mais merecedor do que os outros. Sua missão especial de proteger os outros só reforça ainda mais a ilusão de que ele é superior. Ele usa seu martírio para comandar mais adulação e atenção.

Homelander raramente está interessado nos sentimentos dos outros, e esse padrão é consistente com pessoas que têm NPD. Não é que ele não detecte sentimentos feridos, ele simplesmente não vê o valor de atender aos outros a menos que isso beneficie ele ou sua agenda. Além disso, ele se preocupa que a proximidade com os outros possa revelar o enorme defeito dentro dele, que em nenhum momento de sua história ele se sentiu realizado.

Nem tudo que ele toca vira ouro. Homelander se esforça mentalmente, trabalhando duro para encobrir as falhas, erros ou contratempos que o exporiam. Ele exagera suas conquistas apenas para ter que viver de acordo com essas expectativas irreais.

'Homelander': Não apenas um dos meninos: a psicologia 5

Quando Homelander é implantado com sua contraparte Supe, Queen Maeve , para interceptar um sequestro de avião, ele comete um erro terrível. Para alívio dos passageiros, os dois Supersão facilmente capazes de eliminar três terroristas na cabine do avião. Mas eles não estavam preparados para encontrar um quarto terrorista na cabine.

O assaltante atira no piloto, e Homelander reage rapidamente, dizimando-o com seus lasers e, inadvertidamente, destruindo os controles do avião. O avião agora destinado a cair, Homelander toma a decisão executiva de abandonar todos os 123 passageiros. Maeve protesta, explicando que eles têm a capacidade de salvar alguns antes que o avião caia, trazendo uma jovem e sua mãe em direção a ele na saída agora explodida.

Mas é tudo ou nada para Homelander. Ele arrasa Maeve, forçando-a a ser cúmplice no abandono dos passageiros aterrorizados enquanto o avião cai. Ninguém viveria para revelar seu descuido e impulsividade nos controles. Mais tarde, ele é capaz de girar a tragédia,

“Está tudo sob controle.” – Pátria

A maioria das pessoas com altos níveis de narcisismo grandioso se sente bastante vulnerável. Eles são hipersensíveis ao julgamento dos outros, constantemente preocupados que pequenas falhas ou fraquezas irão quebrar a imagem perfeita. Sob sua arrogância, Homelander é perturbado por uma profunda auto-aversão. Ele percebe suas falhas e desempenhos inferiores, como pegar um fio de cabelo fora do lugar no espelho.

Esse tipo de narcisismo, conhecido como narcisismo vulnerável , reflete hipersensibilidade e auto-absorção introversiva. Para compensar, Homelander se envolve em uma série de crenças e comportamentos compensatórios – como esconder o eu, explosões de raiva e ter uma auto-estima contingente, todas as características pelas quais ele foi recompensado quando menino.

Quando se sente atacado, Homelander se entrega a fantasias grandiosas, o que significa ficar preocupado em imaginar seu próprio sucesso, poder, brilhantismo e posição social. Para um narcisista, essas crenças exageradas podem parecer reais para eles. As fantasias grandiosas de Homelander muitas vezes assumem uma forma horrível.

Em um protesto, por exemplo, alguns dos dissidentes começam a gritar com Homelander. Em resposta, ele imagina dizimar toda a multidão com seus raios, rasgando-os em pedaços sangrentos de uma só vez. Essa indulgência mental lhe dá um impulso de satisfação, uma dose de dopamina para se lembrar de que ele é realmente mais poderoso – e, portanto, melhor – do que eles.

CONFIRA: ‘Homelander’: Não apenas um dos meninos (Continuação)

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.