Data atual:19 de agosto de 2022

Conversando ‘Conjuring Kesha’: uma entrevista com o primeiro especialista paranormal do pop

Publicidade:

Kesha (sem cifrão) sempre teve um fascínio pelo sobrenatural. Felizmente para seus fãs, ela se uniu ao Discovery+ para compartilhar esse fascínio em seu novo reality show paranormal, Conjuring Kesha .

Entrando na sala de imprensa, eu sabia que Kesha e seus amigos, Big Freedia e GaTa, estavam preparados para enfrentar quaisquer desafios que os aguardassem, seja espírito perdido em busca de salvação ou repórter de cultura pop intrépido em busca de respostas.

Kesha tinha o cabelo preso em uma trança alta, olhos exagerados com delineadores pretos ferozes. Ela usava um top de couro brilhante aparentemente projetado para imitar uma armadura – para proteger de entidades malignas? Ou talvez para avisá-los de que Kesha não deve ser brincadeira?

À sua direita estava a lenda da música de salto Big Freedia, que, no final da temporada, acompanha Kesha ao profundamente assombrado Trans-Allegheny Lunatic Asylum da Virgínia Ocidental. Ela estava vestindo um suéter brilhante, cílios grandes e jóias ainda maiores. Talvez essas escolhas também fossem destinadas a afastar o mal. Talvez ela só pretendesse parecer fabulosa. De qualquer forma: missão cumprida.

À esquerda de Kesha estava o rapper/ator GaTa, que viajou com Kesha para a Westerfeld House, em San Francisco. (Também profundamente assombrado.) Ele disfarçou habilmente seu medo do desconhecido com um elegante par de óculos escuros. Se quaisquer fantasmas o estivessem intimidando, eles não saberiam.

Todos os três estavam prontos para qualquer coisa. Mas eles estavam prontos para minhas perguntas? (Sim, Provavelmente.)

Conversando 'Conjuring Kesha': uma entrevista com o primeiro especialista paranormal do pop 9

P: Então, o que primeiro fez você se interessar pelo sobrenatural?

Kesha: Então, desde pequena, toda a minha família, minha mãe, meu irmão – tem sido uma conversa muito natural em nossa casa. Como se sempre fosse natural tocar música e falássemos sobre fantasmas e anjos e nossos guias espirituais. Minha mãe estudou astrologia na faculdade, então ela planejou que eu fosse de Peixes porque é o mais antigo dos signos do zodíaco.

Então foi meio que sempre na minha família. Foi muito natural. E eu vi minha primeira coisa sobrenatural por volta dos quatro anos de idade, e eu nem sabia o que isso significava. Só conheço a sensação. Vi a luz entrando pela janela. Eu tinha um entendimento de que foi minha avó que faleceu.

Depois disso, tive apenas pequenos momentos e sempre me interessei muito pelo sobrenatural. Eu vi um aglomerado de luzes no deserto e – eu estava totalmente sóbrio no deserto, para ser claro – e vi uma formação de luzes que continuavam se movendo. Ainda não estava escuro.

E acabei de entender que eram naves espaciais. E era apenas o que era. Não foi… Tive uma reação diferente da que você pensa que reagiria. Eu vi — e não gritei, não chorei, só entendi o que era. Parecia realmente calmo. Parecia muito natural. E é por isso que sinto que sabia que era real.

Então, durante o COVID, eu tinha muita ansiedade e estava tendo uma espécie de crise existencial após crise existencial, e uma noite eu tive um momento realmente espiritual em que comecei a ter uma conversa completa com algum outro ser – não tenho certeza se o que eu era falando era Deus, ou se era um anjo, ou talvez fosse um guia espiritual, ou talvez fosse minha consciência superior.

Mas não era nada que eu já tivesse experimentado antes e eu pensei que estava enlouquecendo. No dia seguinte, acordei e liguei para o meu terapeuta e pensei: “Acho que aconteceu. Perdi a cabeça. O que eu faço agora?” E ela me disse que era um despertar espiritual, e o universo estava realmente se abrindo para mim e para abraçá-lo.

Então, comecei a escrever músicas sobre isso – influenciou minha música naquele momento – e eu realmente queria fazer um show sobre isso. Começou como um podcast durante o COVID e depois se desenvolveu em Conjuring Kesha , onde levo um amigo para um local assombrado diferente, um local ativo diferente em cada episódio.

E eu realmente não sabia o que esperar! Tudo o que sei é que acredito que há algo maior. Tive uma conversa com algo maior, algo fora de mim. Não sou necessariamente uma religião em particular, mas acredito na espiritualidade e na simbiose do universo, e na energia de todos nós estarmos conectados. Eu só queria explorá-lo ainda mais, e nós fizemos isso, e foi insano.

P: Ok, então você tem que trazer amigos com você – você tinha algum amigo que fosse notavelmente o gato mais assustado de todos os seus amigos?

K: Hum… não!

P: Ah, eles foram todos corajosos?

K: Sim! Honestamente, para mim, eu estava sendo meio maricas, porque eu tenho Michael Salerno [o demonologista treinado por Lorraine Warren na estreia da temporada] me falando sobre demônios que podem me matar , e eu fiquei muito assustada, e Whitney [Cummings] – eu vou dar a ela – ela realmente se aproximou e disse: “Eu peguei você”.

E então ela me apoiou naquele momento em que eu estava realmente com muito medo, e eu sempre apreciarei isso. Mas cada episódio… cada um é como sua própria jornada separada e emoção diferente. Cada pessoa e eu, eu sinto, fomos trazidos para cada local por uma razão muito específica pelo universo. É tipo, o universo nos guiou juntos para este determinado lugar e cada um de nós teve experiências realmente incríveis em cada lugar.

Conversando 'Conjuring Kesha': uma entrevista com o primeiro especialista paranormal do pop 10

Q: Existe algo em particular que você está animado para as pessoas verem na próxima temporada?

K: Sim! Cada episódio estava ativo. Eu sou um produtor executivo deste programa porque eu queria, muito especificamente – o programa não é besteira. Não há nada falso. Eu queria saber que não havia nada falso, e isso era a coisa mais importante para mim fazendo isso.

Publicidade:

Eu queria abrir meu coração para o sobrenatural e não queria enganar ninguém, inclusive eu. Então essa foi a parte mais importante do show para mim. Com o que estou animado… cada episódio tem um momento – quando eu e GaTa fomos para São Francisco, a prancheta do quadro de espíritos pula para uma letra –

GaTa: Sim, isso significou algo para mim.

P: Oh meu Deus.

G: Nós tivemos uma conexão de drogas. Estava apertado. E então foi uma loucura também, porque indo para lá… Eu cresci comprando aqueles truques de mágica em Las Vegas, sempre estudando mágicos: David Copperfield, David Blaine, Houdini… Então eu sou tipo, cara, isso é loucura.

K: Esse momento foi um dos destaques da temporada. E então [Big Freedia e eu] tivemos outro momento em que colocamos um pouco de talco de bebê… Você tenta explicar, mas é apenas algo que você tem que ver. É um experimento – você coloca um pouco de talco de bebê para ver se alguma coisa deixa uma marca nele. O produtor do programa disse: “Já fiz isso umas 30 vezes. Não faça uma grande confusão. Nunca _funciona.” E então eu coloquei, tipo, 60 cm de talco de bebê e tirei uma foto de antemão.

Montamos câmeras ativadas por movimento e partimos para a noite, por volta das três da manhã. Então voltamos na manhã seguinte. O corredor inteiro — 90 metros de corredor, está coberto de talco de bebê. Parece que tinha nevado. Fisicamente impossível. Verificamos as câmeras – nenhuma câmera ativada por movimento disparou. Havia pegadas nele! Pegadas nuas no meio do talco. As pegadas das crianças !

Frieeda: Sim, era uma loucura como as impressões estavam por toda parte, mas não havia caminho para começar as impressões. Essa é a parte assustadora. Foi selvagem! Eu fiquei tipo, “ O que está acontecendo aqui ?”

Conversando 'Conjuring Kesha': uma entrevista com o primeiro especialista paranormal do pop 11

P: Eu teria ido embora.

K: Ela continuou tentando sair.

F: Eu definitivamente continuei tentando sair, querida. Eu precisava sair de lá com certeza.

K [para GaTa]: Você continuou tentando sair também!

G: Eu fui embora. Continuou tentando? Eu deixei! Eu não fiquei na casa. Eu tinha ido.

P: Respeito a bravura de ficar, mas estou com vocês dois. Eu teria saído.

K: Pode ser mais inteligente. Eu só tenho, tipo… Estou viciado no sobrenatural agora. Tipo, agora que começou a se revelar para mim, estou obcecada. Eu não quero sair. Eu não quero que isso acabe. Um espírito inteligente está se comunicando comigo, que não consigo ver, que não consigo explicar. Eu não posso sair até que eles terminem de falar comigo.

Q: Você tem que saber o que eles vão dizer em seguida.

K: Sim!

Conversando 'Conjuring Kesha': uma entrevista com o primeiro especialista paranormal do pop 12

P: Ok, sabemos que fantasmas são reais e sabemos que demônios são reais. Existe alguma coisa que você tem certeza que não é real?

K: Eu fui para Mt. Shasta com Jojo Fletcher e estávamos procurando por Bigfoot. E, entrando nisso – vou ser honesto com você – eu estava tipo, meu coração está aberto e minha mente está aberta. Mas eu acredito no Pé Grande? Na verdade, não. Estou aberto, mas não entrei em um crente. E depois da nossa experiência lá? Definitivamente, saí de lá pensando: “Uau, foi muito egoísta da minha parte pensar que sabia se havia ou não um Pé Grande”.

Porque depois de falar com as pessoas lá que viram coisas, depois de ver os vídeos que eles me mostraram… todas essas pessoas viram alguma coisa . E eles experimentaram algo. E tem muita gente! Eles começaram a falar sobre seres interdimensionais, e quando você começa a desmembrar quantas dimensões existem e física quântica… há muita coisa lá fora que provavelmente não podemos compreender. Então, quem sou eu para dizer o que não é real? Neste ponto, estou aberto a tudo ser real.

G: Sim, eu também. O coelhinho da páscoa, a fada dos dentes…

P: Claro. Está tudo lá fora.

G: É tudo real!

K: [rindo] Faremos o Coelhinho da Páscoa na próxima temporada.

Q: Existe uma experiência paranormal que você ainda não teve que você realmente quer filmar para o show?

K: Essa é uma pergunta muito boa. Estou com medo de colocar isso em prática, mas eu realmente quero, na próxima temporada – eu quero investigar a Rave em Milwaukee e o hotel do outro lado da rua. É onde Jeffrey Dahmer levou algumas de suas vítimas da Rave. Há um túnel subterrâneo da Rave para o hotel e é lá que ele os mataria, guardaria seus corpos e os comeria. Então… Temporada 2, Jeffrey Dahmer! Colocando no universo! Não quero ser picado e comido, mas gostaria de me comunicar com ele, porque tenho um estranho fascínio por assassinos em série, a psicologia por trás deles. Então eu gostaria de investigar isso na próxima temporada.

F: Não há nenhum que eu pessoalmente queira ter. Aconteça o que acontecer, mas…

K: Que tal falar com um anjo?

F: Bem, isso seria muito legal.

G: Eu adoraria ser o Papai Noel.

P: Ser?

K: Ser ?

G: Conheça. Eu quis dizer “conhecer”.

Conjuring Kesha está atualmente sendo transmitido no Discovery + com novos episódios saindo todas as sextas-feiras.

CONFIRA: The Conjuring 3: A história real por trás

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.